O edifício que servia de casa de função do tribunal de Grândola para albergar os magistrados em funções e respetivas famílias, irá disponibilizar novas instalações para os serviços municipais.

A intervenção de reabilitação e adaptação do edifício traduziu-se, essencialmente, em pequenas alterações no seu interior: instalação de gabinetes de trabalho, atendimento e receção nas salas já existentes, instalação sanitária adaptada a pessoas com mobilidade condicionada, manutenção e tratamento da maioria dos pavimentos existentes, adaptação da rede informática e telecomunicações e substituição da rede de abastecimento de água.

A mudança decorre da necessidade de melhoria das condições das instalações da CPCJ e do Gabinete de Psicologia, que estavam situados em lojas do parque habitacional municipal, com diversas limitações na operacionalidade diária.

Com a sua transferência para as novas instalações, estes serviços – que são fundamentais no quadro das respostas sociais no nosso concelho – irão dispor de um espaço mais amplo e funcional e recursos e equipamentos adequados, concorrendo para otimizar o serviço de atendimento e resposta às necessidades da população.

Recorde-se que a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Grândola (CPCJ) iniciou a sua atividade em 1 de julho de 1997, nessa data ainda designada Comissão de Proteção de Menores (CPM), prosseguindo a sua atividade como instituição oficial não judiciária, com autonomia funcional, que visa promover os direitos da criança e do jovem e prevenir ou pôr termo a situações suscetíveis de afetar a sua segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento integral.