Esta ação tem como objetivo "defender a saúde e os direitos dos trabalhadores, garantindo emprego, salários dignos e serviços públicos de qualidade".

O sindicato promete intensificar a luta na defesa de “um suplemento de insalubridade, penosidade e risco para os trabalhadores que nas autarquias garantem serviços essenciais para a população sem auferirem qualquer compensação remuneratória ou beneficiarem de acréscimo de direitos”.

O STAL exige respostas às questões que considera determinante para o "desenvolvimento económico e social do país, como a "caducidade da contratação coletiva, o modelo económico assente nos baixos salários, precariedade laboral, más condições de trabalho e o direito à greve".

Outras reivindicações passam por "mais investimento público, melhores serviços públicos, um aumento dos salários em 90 euros a fixação do salário mínimo a curto prazo em 850 euros".


Comente esta notícia


SINES